quarta-feira, 20 de julho de 2011

Yalorixá Diz Sofrer Preconceito até na Política

Mãe Nenzinha de Itinga.

Apesar das coisas estarem bem evoluídas aparentemente, as pessoas parece que estão retrocedendo a cada dia. É comum no país as pessoas serem discriminadas por ser diferente de outra, por pertencer a um determinado grupo, religião, opinião, poder aquisitivo, profissão, principalmente por cor.
 
No Brasil os afros descendentes são pertencentes a um dos grupos que mais sofre perseguições, preconceitos e são vítimas de homicídios. Para se ter uma idéia quando esses dados são divididos por raça, cor os números são assustadores. Isso nos mostra que vivemos num país bastante preconceituoso.
 
A Yalorixá Mariana dos Santos (54), moradora do bairro de Itinga, há mais de trinta e um anos e conhecida carinhosamente por NENZINHA, nos revela que está cansada de tanto preconceito. Se não bastasse a sua religião também sofre preconceito na política.
 
Ela diz receber preconceito de sua profissão "Vendedora de Acarajé" que exerce com muito amor e carinho, a mais de quarenta e três anos.
 
Estando à frente dos trabalhos realizados em seu terreiro "YLÉ AXÉ ÔIA DELÉ", situado em Itinga, diz ser difamada constantemente: "As pessoas das Igrejas são as mais que difamam, acham que minha religião é do diabo. Elas maltratam muito. O axé (religião de origem africana) também trabalha para o bem, para a proteção. As pessoas que são más. Nós temos fé em Deus. A diferença é que acreditamos nos orixás também, mas Deus em primeiro lugar.”
 
Ela que está à frente da ASBALF (Associação das Baianas de Acarajé de L. de Freitas), como presidente diz que está cheia de enrolações, preconceitos e desculpas sem fundamentos. Dona Mariana se queixa que a política cultural da cidade não dá apoio à associação, o que ela nomeia essa atitude como preconceituosa, segregacional e escravocrata: "Considero isso porque a associação é regularizada, tem CNPJ em dias e não recebo nenhum incentivo significante. Até um curso para as minhas baianas não acho. Eles sempre botam dificuldades. O argumento de Menezes, é que a cozinha está sem azulejo, que não tem condições de realizar um curso como este. E nisso já se vão dois anos. Quanto tempo dura para azulejar uma cozinha? Ninguém é criança! Cansei. São desculpas, porque você ver outros cursos acontecendo na cozinha." Para Mariana fica difícil essa situação que tanto lhe magoa. Ela diz que ASBALF tem lutado constantemente pela valorização das baianas do município. Ela denúncia o tratamento que as baianas recebem por parte da prefeitura: "Querem as baianas todas engomadinhas, cheirosinhas de graça, nos eventos, por um prato de comida ou lanche. Não concordo. Comida por comida agente come em casa. O negócio só é foto e água. O chamego deles é com um tão de Careca. Eu luto para valorizar minhas baianas.
 
Nenzinha já procurou a prefeita Moema Gramacho(PT) à procura de um apoio para a sua associação.Segundo ela o único apoio que recebeu foi um espaço, que usa como sede,no ponto turístico "Mãe Mirinha de Portão, mas um apoio de verdade nunca recebeu. A yalorixá conta que já foi procurada por muitos para emprestar, como aluguel, o CNPJ da associação para as realizações de transações, mas que nunca aceitou: "Espanto logo. Do jeito que sou não tenho rabo preso a ninguém. Inclusive já fui muito perseguida. Meu esposo já trabalhou no JOTAGÊ, e foi demitido. Só porque teve uma época que apoiei Roberto Muniz. Quer dizer que não sou dona do meu nariz? Não tenho liberdade para apoiar que eu queira? Então continuo nos tempos da escravidão.”
 
Na verdade Nenzinha já chegou a se candidatar a vereadora em 2008, mas não obteve um resultado satisfatório que te levasse a ocupar uma cadeira na câmara municipal.
 
A mãe de santo passou alguns tempo se recuperando de dores na coluna, mas se diz estar boa para realizar seus trabalhos. Nenzinha afirma que vai ser candidata em 2012 para acabar com descaso com a saúde, toda essa opressão, exclusão, escravidão e preconceito, principalmente na política. Ela conta sua luta quando esteve doente: "Eu penei de dor nessa coluna. Se não fosse Deus, Dr. Márcio e os meus Clientes do axé, que moram em Salvador, eu estava no buraco!" desabafa. Ela diz que gostem ou quem não gostem, ela apóia Dr. Márcio para prefeito.
 
Recuperada do período de repouso, Nenzinha se prepara para as suas atividades no terreiro "YLÉ AXÉ ÔIA DELÉ", aonde acontece no próximo dia 14 de Agosto, a partir das 15h, A FESTA DE OGAN. Será celebrada a OBRIGAÇÂO DE 07 ANOS e a CONFIRMAÇÂO DE OGAN.
 
Fonte: Por Adailton Reis.

0 comentários:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Publicidade

Publicidade